Páginas

Marcadores

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Casamento, Prostituição ou Troca de Interesses?

Ultimamente tenho observado que as pessoas estão cada vez mais interessadas na troca de alianças, ou seja, casamento. Afinal, o que leva uma pessoa a se casar e assinar um contrato, um código de conduta “eterno”? A falsa ilusão de que terá um parceiro para todas as atividades, amor; ou o casamento é uma troca de interesses, prostituição, onde se casa em troca de alguma coisa e se aceita certas situações pelo que ganha?

Na maioria das vezes os casamentos são concretizados na fase da paixão, época em que se é cego, mudo e retardado. Essa fase dura, em média, 30 meses e após esse período volta-se a enxergar, falar e ter seus sentidos reais, sem a ebulição da paixão correndo pelas veias. É ai que os problemas começam e o conceito de prostituição no casamento se faz presente isso porque o casamento passa a existir pela troca de favores, de um lado o marido, que tem como função financiar a família do outro a esposa que administra a casa, cuida dos filhos e comparece a noite(sexo).

Porém nem sempre é assim, existem os casamentos que são concretizados por interesse explicito, seja pelo dinheiro ou pelo status que a pessoa pode gerar, em ambos os casos é prostituição no casamento. Não há uma única mulher que não tenha se prostituído no casamento -claro, as casadas- isso porque em algum momento ela teve que praticar sexo sem vontade, apenas para agradar o marido que teve um dia cheio no trabalho e estava querendo aliviar as tensões. Parece uma coisa boba mas se for feita uma análise vai-se chegar a conclusão de que no fundo o casamento nada mais é que uma troca de interesses, que na maioria das vezes é representado pelo amor, as pessoas tem uma necessidade de amar e ser amado, mas se esquecem que o concreto não fica firme sem que se misture vários componentes, ou seja, é necessário mais que amor para estruturar um casamento.

A principal viga dos casamentos contemporâneos é o conformismo, talvez por estar bem financeiramente, pela companhia do parceiro ou até mesmo pelo arquétipo que a sociedade define como regra, onde todos são quase que obrigados a se casar em algum momento da vida.(Os solteiros são tidos como anormais) E já que estamos falando de paradigmas a sociedade é cheio deles, um bem explicito é de que “Engravidou tem que casar” como se não bastasse o erro do filho fora de hora ainda vai ampliar o erro com um casamento que só terá como estrutura um parasita que sugara a força vital de ambos e futuramente os enchera de orgulho entrando para Harvard ou MIT.

Como pudemos perceber as colas dos casamentos são variadas, mas nem sempre eficazes e quase sempre são escondidas ou camufladas. Pensar nessas possibilidades é pensar no futuro ou no que poucos pensam, não pensar nessas ideologias é viver na ilusão de “amor”.

Obs. A realidade é que os casamentos não passam de uma tentativa, esdrúxula, do ser humano de fugir da solidão, coisa que para muitos é o fim. Mas se não conseguem conviver consigo mesmo, como podem conviver em conjunto?

2 comentários:

Iron disse...

É realmente preocupante esses casamentos que se contraem só pelo interesse, seja do status social ou financeiro.
A família é o principal núcleo da sociedade e é ela a responsável primeiramente por formar cidadãos. A minha preocupação é que, sendo os cidadãos educados a pensarem primeiro no interesse o que será da nossa futura sociedade?
Muito bom texto Henrique, me faz refletir sobre vários assuntos, parabéns !

Cachinhos Tostados disse...

Fiquei bastante curiosa quando vi o título da postagem.
Percebi pela estrutura das orações do texto que essa sua visão de mundo estava entalada há algum tempo e estava te incomodando. Percebi isso porque as frases dos seus parágrafos são bem extensas. Mas posso está enganada também.
Quanto a suas ideias, não concordo com nada que você acredita ser verdade. Você diz: “Ultimamente tenho observado (...)” (Linha 1). Você tem observado aonde? Na TV? Nas revistas? Ou na sua vida?
Quem foi que disse que amor é paixão?
Quem foi que disse que o papel da mulher é cuidar da casa e ser uma máquina de sexo?
Ao contrário de Iron eu não refleti em nada.
Se existem pessoas que se casam por interesses o problema delas, não é por isso que vou sair dizendo a quatro ventos que TODOS os casamentos são farsas e refúgio para a solidão. Amor não é dependência. Ao contrário de você eu me baseio não no que eu vejo pelo mundo, mas pelo que eu vejo em meus pais. Eles são exemplos de uma união feliz.
Desculpe minha grosseria, mas seja mais flexível nas suas afirmações. Você não é o dono da verdade. Nem eu. Mas o mundo é muito mais do que vemos na vida dos outros.