Páginas

Marcadores

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Discurso Orador


Boa Noite!

Antes de qualquer coisa gostaria de agradecer a presença de algumas pessoas: aos pais e parentes que foram de fundamental importância para que este momento se tornasse realidade, em especial aos professores que fizeram o papel de ponte entre nós e o conhecimento e por fim aos meus colegas que me confiaram tamanha responsabilidade que é representá-los neste momento tão importante que ilustra o fim deste ciclo em nossas vidas.

Obrigado!
Os convido a entrarem em uma máquina do tempo. Vamos regredir alguns meses e voltar ao momento em que tudo começou, há exatos dois anos atrás. Estávamos dentro de uma caverna e só o que se podia ver era a escuridão, representada pelas incertezas e pelos “Nãos” que distribuímos ao longo da vida; fechando muitas portas e cada vez mais nos enclausurando na zona de conforto.

Quando entrei aqui na faculdade pela primeira vez, foi como se um novo mundo fosse descoberto e logo de cara já percebi que aquilo que diziam das faculdades não passava de balelas: Espalhadas por aqueles que não tiveram a coragem que nós tivemos; coragem de lutar contra nós mesmos. Não é fácil, eu sei! Mas o que determina quem será vencedor no final é o empenho que se dá para cada batalha.

Durante este período tivemos muitos professores e cada um nos deixou uma semente de conhecimento, parece pouco, mas hoje podemos dizer que essas sementes estão brotando e mais tarde teremos frutos. Algumas sementes não foram plantadas com tanta delicadeza, confesso. Quem não tem medo de matemática aqui que atire a primeira pedra. Em contra partida os mestres do ensino, e não poderia chama-los de outra maneira, deram um show à parte. Eles nos guiaram por tanto tempo... Havia aqueles que falavam demais, os menos interessados, os que cuspiam e falavam alto, aqueles que eram contidos e calmos, os estabanados, os que causavam medo, os que exigiam demais... Enfim. No final todos cumpriram o seu papel, papel esse de formar profissionais.

Aos formandos só resta a saudade. Poder estar aqui hoje, refletindo sobre os fatos que foram vivenciados com tanto ardor causa não só uma tremenda alegria, mas principalmente um sentimento que nos reflete a sensação de “Quero mais!”, e algo me diz que esse mais representa muito além do que podemos imaginar ele transcende as barreiras, e só para, onde você quiser.

Em um ambiente como este onde temos tantas faces que se misturam entre tantos pensamentos, eu não poderia deixar de pensar no quanto se verbaliza hoje em dia referente à inclusão, quantos gostariam de estar aqui hoje. Como nós estamos. Quantos não dariam tudo para ter uma única chance de mostrar a que veio... Eles não tiveram essa chance, mas nós sim. E posso afirmar que agarramos essa chance e fizemos jus ao voto de confiança que nos foi dado. Quando por aquela porta caminhamos éramos um poço de perguntas, agora somos um buraco negro de perguntas, mas isso é bom. Como Confúcio dizia:

Eu não procuro saber as respostas, procuro compreender as perguntas.

Muito obrigado a todos pela atenção!

Obs. Este é o discurso que escrevi em parceria com a Alexandra Espinosa que o representou no dia da colação de grau, que aconteceu dia 20/07/2012. É um misto de coisas que vivi com as que penso e um pouco de muito sentimento. Saudade é o mais claro e singelo deles.

Nenhum comentário: